Mercado em Nova York (EUA) volta a trabalhar abaixo de 130 cents

/ / Acontece no Café

Os contratos futuros de café arábica tiveram movimento de realização de lucro ontem na Bolsa de Nova York (ICE Futures US), depois de subir 1,8% no dia anterior. Apesar disso, em novembro, o segundo vencimento, março/18, registrou elevação de cerca de 1,5%. No acumulado desde o início do ano, entretanto, o contrato caiu pouco mais 13% e cerca de 18% nos últimos 12 meses. Os futuros de arábica têm oscilado com base em fatores técnicos. O mercado chegou a trabalhar acima de 130 cents, no que sugeria consistência, mas devolveu ganhos. Os suportes estão em 126 cents e 125,35 cents. Na parte de cima, as resistências estão em 130 cents e 133 cents.

Os fundos de investimento continuam carregando elevado saldo líquido vendido em café em Nova York. Isso é o que deve mostrar relatório de hoje da Comissão de Comércio de Futuros de Commodities (CFTC, na sigla em inglês), com posicionamento de traders, referente à semana encerrada em 28 de novembro. Os fundos passaram de saldo líquido vendido de 46.599 lotes no dia 14 para 48.863 lotes no dia 21, considerando futuros e opções. O dólar subiu forte em relação ao real. No início da tarde, a moeda norte-americana chegou a acelerar alta para mais de 1%. Segundo corretores, a divisa reagia ao tom pessimista do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sobre a reforma da Previdência. Em evento fechado à imprensa, em São Paulo, Maia teria reconhecido, segundo fontes, que seria difícil a tarefa de votar a reforma da Previdência na próxima semana.

Com relação ao clima nas regiões produtoras brasileiras, a Somar Meteorologia informa que a umidade da Amazônia se organiza no Sudeste e provoca chuva forte no Espírito Santo e em Minas Gerais com acumulado que supera os 100 mm nos próximos sete dias. “Também choverá na Bahia, São Paulo e Paraná, porém, com acumulado mais modesto, entre 15 e 50 mm”, prevê a Somar. Os contratos futuros de arábica em Nova York aceleram perdas no fim do pregão de ontem. O vencimento março/18 acabou fechando com baixa de 370 pontos (2,80%) a 128,50 cents. O mercado registrou máxima de 133 cents (mais 80 pontos). A mínima ficou em 127,75 cents (menos 445 pontos).

Entre outras notícias, a Organização Internacional do Café (OIC) informou ontem que exportação mundial do grão registrou queda de 11,4% em outubro passado, em comparação com o mesmo mês de 2016. Foram embarcadas 8,80 milhões de sacas de 60 kg em comparação com 9,93 milhões de sacas em outubro do ano passado.

Os pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP) informam que as cotações do arábica tiveram queda ontem no mercado físico. O Indicador Cepea/Esalq do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, posto na capital paulista, fechou a R$ 456,27/saca de 60 kg hoje, queda de 0,8% em relação ao dia anterior. Segundo o Cepea, os negócios foram mais animados na parte da manhã de ontem, quando a ICE Futures US e o dólar operavam em alta. Após a baixa dos futuros na parte da tarde, porém, agentes deixaram o mercado, travando as vendas.

O mercado de robusta continua calmo. O Indicador Cepea/Esalq do tipo 6, peneira 13 acima, fechou a R$ 372,17/saca de 60 kg, leve baixa de 0,2% em relação ao dia anterior. Já para o tipo 7/8, bica corrida, a média ficou em R$ 368,29/saca, elevação de 0,6% no mesmo comparativo – ambos à vista e a retirar no Espírito Santo.

Fonte: Café da Terra